Vacinação de gatos.PNG

     As vacinas são um método de imunização bastante seguro. Elas têm como função induzir o organismo a produzir sua própria defesa (anticorpos) contra diferentes microrganismos e suas toxinas, e cada uma tem um período de ação. Além de prevenir diversas doenças no seu pet, as vacinas também agem na saúde coletiva, evitando que as zoonoses sejam prevalentes na população animal e humana. A vacinação, portanto, é a melhor maneira de proteger seu pet contra uma variedade de doenças graves e complicações, que podem inclusive levá-lo à morte.

     Vale ressaltar que são considerados filhotes aptos ao ciclo inicial de vacinação aqueles em bom estado geral, com apetite e comportamento normais, sem febre ou qualquer morbidade pré-existente ou alterações de exame físico. Além disso, é necessário antes de vacinar o seu gato ter a certeza de que ele se encontra sem vermes intestinais e ectoparasitas, como pulgas. Também é importante que já tenha passado o período de amamentação, pois nesse momento o animal adquire anticorpos maternos, que vão interferir diretamente com a resposta imunológica ativa do filhote, fazendo com que a vacina não seja eficaz e uma das principais causas de falhas vacinais.  

 

       Antes de falarmos um pouco sobre as principais vacinas para gatos, vale lembrar que cada animal deve ser imunizado contra os agentes aos quais ele corre risco de exposição e também aqueles que podem gerar risco de saúde pública (zoonoses), tendo, portanto, o grupo das vacinas obrigatórias ou essenciais; opcionais e não recomendadas que devem ser avaliadas individualmente para todos os felinos a partir de 6-8 semanas de vida.

    As vacinas essenciais devem ser aplicadas em todos os gatos e são as imunizantes para: calicivirose, herpesvirose; panleucopenia e raiva. Essas vacinas são consideradas essenciais, pois imunizam os gatos contra os principais patógenos causadores de doenças respiratórias, oculares e gastrointestinais. Já a vacina antirrábica é obrigatória no território nacional, devido a possibilidade de transmissão da raiva para o ser humano. São comercializadas como:

       Antirrábica: protege contra a raiva felina feita em dose única, após 12 semanas de idade ou no final do ciclo da vacina tríplice, e também precisa do reforço anual.

       Tríplice-V3: protegendo contra calicivirose; herpesvirus; panleucopenia, aplicadas a todos os felinos a partir de 6-8 semanas de idade, sendo repetida a dose em um intervalo de 21 dias por até 3 vezes (ou seguindo a recomendação do médico veterinário);

     As vacinas opcionais ou não essenciais, como o próprio nome diz, são aquelas indicadas para casos específicos, em situações em que o animal apresenta um risco específico de contágio, e podem substituir a V3 por apresentarem um maior número de alvos. São elas:

      Quádrupla-V4: protegendo contra calicivirose, herpesvirus, panleucopenia, clamidiose;

      Quíntupla-V5: protegendo contra calicivirose, herpesvirus, panleucopenia, clamidiose, leucemia viral felina.

    Você deve estar se perguntando, quando optar pela vacinação com as vacinas opcionais, não é mesmo? Elas são indicadas, depois de uma avaliação médica, principalmente aos animais com acesso a rua por possuir maior exposição a agentes infecciosos, tendo a necessidade de ser vacinados anualmente, diferente dos animais que vivem em ambiente interno (doméstico) que realizam a revacinação após um ano do término do ciclo de filhote .

 

     Agora que você já sabe um pouco mais sobre a vacinação de gatos, abaixo está uma tabela que resume o calendário vacinal de gatos.

Texto desenvolvido pela EMVEP Jr. da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos - USP  em parceria com Clínica Veterinária Jardim Botânico

tab 1.png
tab2.png
voltar.png